terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Cuidado: mandalas financeiras viram febre em Poção de Pedras; como qualquer pirâmide, alguém haverá de ser lesado no final

 Apesar de ser crime no Brasil, diversos grupos no WhatsApp estão sendo criados para a movimentação que promete ganhos



A palavra "Mandala" tem ganhado repercussão nas redes sociais nas últimas semanas em Poção de Pedras. Você certamente já ouviu falar, ou foi convidado para participar dessas famosas pirâmides financeiras, que agora reaparecem como mandalas, uma aplicação financeira ilegal no Brasil e que promete ganhos multiplicados e garantidos aos participantes. Por ganância ou inocência, um número grande de poção-pedrenses tem participado do esquema que é considerado crime. 

Em Poção de Pedras os grupos trabalham com valores em torno de R$ 125,00, para um ganho previsto de R$ 1.000,00. Através do aplicativo WhatsApp são formados os grupos e os convidados depositam o dinheiro diretamente na conta de quem o criou. Cada um dos participantes precisa convidar mais pessoas para dar andamento aos giros da mandala, afim de se chegar ao centro das camadas e então receber o montante, que supostamente seria bem maior do que o que foi investido.

Mesmo que você conheça pessoas que já receberam dinheiro através deste tipo de movimentação, muito cuidado, especialistas em economia e juristas afirmam que além de ser crime, em algum momento alguém vai ser lesado. Em entrevista para a coluna Brasil Econômico do economia.ig, o advogado e professor de matemática financeira, José Vieira Dutra Sobrinho, disse que a tendência natural, à medida que a pirâmide ou neste caso a mandala caminha, é que um número muito maior de pessoas vai acabar perdendo dinheiro, porque a corrente sempre se rompe.

Ainda de acordo com a publicação, a prática é enquadrada como um crime contra a economia popular tipificado no inciso IX, art. 2º, da Lei 1.521/51: "obter ou tentar obter ganhos ilícitos em detrimento do povo ou de número indeterminado de pessoas mediante especulações ou processos fraudulentos". Até o momento, a Polícia de Poção de Pedras não recebeu queixas de perdas financeiras.

Pirâmide financeira

O economista Rubicleis Gomes, professor da Universidade Federal do Acre (Ufac), explica que uma pirâmide financeira torna-se rentável apenas às pessoas que entraram no início. "Cada indivíduo vai contribuindo para quem está acima, de forma que, se alguém não fizer o depósito, o sistema se quebra. O problema é que muita gente vai depositar e não vai ganhar", diz.

Gomes salienta que esse tipo de negócio, que não é novo no país, normalmente tem vida curta. "Não é novo, só muda de figura e todos têm o mesmo princípio. Dependendo do sistema, em meses acaba caindo. Tanto quem ganha e quem perde comete crime contra a economia popular", finaliza.

Notícia falsa sobre legalidade da Mandala


Em uma montagem barata, participantes do esquema fraudulento divulgaram uma imagem falsa como se fosse matéria do portal G1.com, trazendo a notícia mentirosa: “Mandala a frebe da web acaba de ser legalizada e considerada como renda extra”.

Claro que além do erro grosseiro ao escrever a palavra "frebe", e da ousadia de usar o nome de um profissional respeitado daquele estado, o bando mentiu ao afirmar que a ARMAÇÃO teria sido legalizada.

Em sua rede social, o jornalista Caio Fulgêncio esclareceu que não se trata de matéria escrita por ele e ironizou: "Não escrevo "frebe". Beijos, Mandala! Matéria falsa, amigos. Matéria falsa!".

Com informações do G1 Acre e www.patosja.com.br

Um comentário:

Fique à vontade, sua opinião é livre e de grande importância; contudo, é de inteira responsabilidade do leitor e não representa a opinião do editor do blog. Prezamos pela ética e pudor. Os comentários serão publicados em até 24 horas após análise.