sábado, 1 de dezembro de 2018

Flávio Dino consegue na Justiça suspender paralisação dos médicos


O governo Flávio Dino optou pelo silêncio diante da confirmação de uma paralisação dos médicos que prestam serviços as unidades de Saúde no Maranhão. A eventual paralisação está prevista para a próxima terça-feira (04) e aconteceria devido aos atrasos salariais constantes. Boa parte dos profissionais asseguram que estão há três meses sem receber seus vencimentos.

Só que o silêncio, até covarde, do Governo Flávio Dino veio acompanhado de uma ação na Justiça para evitar que a paralisação fosse efetivamente iniciada. A Gestão Comunista pediu a concessão de uma tutela antecipada diante da eminência da greve dos médicos e conseguiu lograr êxito.

O juiz titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos, Douglas de Melo Martins, deferiu o pedido do Governo Flávio Dino e determinou que os médicos que prestam serviços no âmbito do Estado abstenham-se de paralisar suas atividades, deixando sem atendimento os pacientes da rede estadual de saúde.

Entretanto, o juiz Douglas Martins também decidiu intermediar o problema e marcou para segunda-feira (03), uma audiência de conciliação.

“A paralisação anunciada nos atendimentos médicos, noticiada nos meios de comunicação, seria em decorrência de atraso nos pagamentos da remuneração dos médicos. Assim, é recomendável o estabelecimento de um diálogo que possa resultar em uma solução consensual para a situação conflituosa instalada e que seja satisfatória para os grupos médicos, o Estado e, especialmente, para os pacientes, em razão do grave risco de lesão à saúde e à vida decorrente da possibilidade de suspensão dos atendimentos. Por isso, necessária a designação de audiência com a maior brevidade possível”, afirmou o magistrado.

Agora é aguardar e conferir.

Do Blog do Jorge Aragão

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade, sua opinião é livre e de grande importância; contudo, é de inteira responsabilidade do leitor e não representa a opinião do editor do blog. Prezamos pela ética e pudor. Os comentários serão publicados em até 24 horas após análise.