terça-feira, 11 de junho de 2019

Paciente tem sonho de casar realizado por equipes do Hospital Macrorregional de Coroatá



Os planos de Maria Solange da Conceição Lobão de casar em março foram interrompidos no dia 9 de fevereiro, quando ela salvou a filha de 17 anos, com deficiência intelectual, de um grave acidente, colocando a própria vida em risco. Hospitalizada e diagnosticada com tetraplegia, ela contou com a sensibilidade e mobilização da equipe de saúde do Hospital Macrorregional Alexandre Mamede Trovão, em Coroatá, para realizar o sonho.

O casamento com o agora marido Enoque Chaves Filho, de 46 anos, aconteceu nesta terça-feira (11), no próprio hospital, na presença de familiares, padrinhos, amigos, equipe médica e de enfermagem e muitos curiosos em testemunhar o amor do casal. A benção foi dada pelo pastor da igreja que o casal frequenta em Barra do Corda, onde moram, e os convidados recebidos no refeitório.


“Foi muito bom, porque tinha o sonho de casar e ter companhia. O Enoque é carinhoso. Fico tão emocionada que não tenho nem palavras para explicar”, resumiu a noiva, que teve direito a tudo o que uma noiva precisa, vestido, maquiagem, penteado, buquê, alianças.

O casal já morava junto há quatro anos, mas a noiva queria ter a benção religiosa. “Era o sonho dela casar e o pessoal do hospital deu essa força. Amo demais ela. Nosso compromisso é de verdade, vou estar sempre ao lado dela”, ressaltou o noivo Enoque Chaves Filho.


Maria Solange, de 41 anos, foi atingida por um tronco de árvore ao salvar a filha, que correu em direção do local onde o marido da paciente, Enoque, cortava árvores com um motosserra. Ela conseguiu salvar a filha, mas foi atingida em seu lugar, ficando tetraplégica. Desde então, permanece hospitalizada para estabilização e posterior cirurgia, que lhe dará melhor qualidade de vida.

O casamento foi proporcionado e organizado pela equipe do Hospital Macrorregional Alexandre Mamede Trovão, em especial pela enfermeira Luana Leal, que cuida da paciente. Ela descobriu o sonho de Maria Solange em uma conversa e decidiu buscar apoio entre os colegas, que fizeram cotas e buscaram apoio para decoração, roupas, Buffet, alianças.

“Eles estavam com o casamento marcado para março e em decorrência do acontecido não houve. Ela me contou e despertou em meu coração o desejo de realizar. Ele é muito companheiro dela. Desde que ela entrou no hospital, ele nunca abandonou. Perguntei de brincadeira se eu organizasse se ele casaria e ele disse que sim. Eu e a equipe de técnicos organizamos. Foi emocionante”, comentou Luana Leal.

O diretor administrativo do hospital, Francisco Filho, acredita que o casamento deixa evidenciado o comprometimento de todos os profissionais da unidade. “O desejo de dona Solange em casar no religioso fez com que todos nós nos mobilizássemos para realizar o seu sonho. Possuir essa sensibilidade é para quem tem amor e carinho com o ser humano. Essa doação integral e irrestrita de todos que compõem esta unidade nos orgulha”, disse.

O casamento contou com a colaboração do decorador Jarbas Almeida e do fotógrafo profissional Carlos Santos.

Entre os envolvidos do hospital estavam os técnicos de enfermagem Áurea, Jesus, Elinaldo, Paula, Lucilene, Cleidiane, Gessiane; o maqueiro Erivan; a coordenadora de enfermagem Tatiana Vasconcelos; a enfermeira Fernanda (confecção de doces); os enfermeiros Roneilvado, Jeremias e Thiago (músicos); e o diretor administrativo Francisco Filho.

Do Jornal Pequeno

0 comentários:

Postar um comentário

Fique à vontade, sua opinião é livre e de grande importância; contudo, é de inteira responsabilidade do leitor e não representa a opinião do editor do blog. Prezamos pela ética e pudor. Os comentários serão publicados em até 24 horas após análise.